2.6.15

Diário de Bordos - Isla San Andrés, Colômbia, 02-06-2015

Amanheceu lindamente: céu azul, quinze nós de vento, pau de bujarrona praticamente pronto e os alemães que finalmente responderam. É espantoso como trazer duzentos gramas de material da Alemanha para a Colômbia é tão complicado, tão lento e laborioso.

Nem a dor de cabeça monstruosa; nem o Jairo, que afinal se lembrou de que não pode transportar passageiros de manhã e portanto anulou a volta à ilha conseguem estragar tão bons auspícios.

Não me lembro quem me falou dos Magnetic Fields. Creio que foi a E. em San Francisco. Música ligeira, canções bonitas bem cantadas; e duas aspirinas. Pode ser que a dor de cabeça ceda.

[Não é Fields, é Zeros]:



(A entrevista é uma seca).
..........
O boomerang já deu a volta.

.........
Da série Fragmentos:

"...O desejo não desejado é repelente..."

........
A burocracia brasileira, esse monstro que faz a portuguesa passar por uma organização germânica e Kafka por um everest de racionalidade persegue-me até aqui. Precisa de uma assinatura notariada.

Os meus amigos brasileiros que me perdoem, mas enquanto se concentrarem nas consequências e não atacarem as causas o Brasil continuará a ser um país do futuro.

Para os que já têm um presente, claro; para os outros, nem presente nem futuro.

........
Estive quase a comprar um bilhete de avião para Lisboa prevendo estar no Panamá lá para dia 15, mas contive-me.

Não é a parte do conter-me que é estranha: é a ideia ter-me sequer passado pela mente.  Duas semanas são uma eternidade, um abismo.