17.7.15

Vida quotidiana em Portugal no século XXI

Uma determinada instituição do Porto recebe vinte mil euros da Câmara Municipal da cidade para abrir um restaurante. O qual foi aberto e está a funcionar quotidianamente, sem um certificado qualquer que a Câmara (a mesma que deu os vinte mil euros) demora a fornecer.

Uma associação cultural (por acaso de Lisboa, mas isto é irrelevante) vai começar a desenvolver alguma actividades culturais para turistas no Porto e escolheu o restaurante da acima mencionada instituição para servir as refeições.

Como os jantares (e leituras) são para turistas a associação de Lisboa pediu ao Turismo do Porto ajuda a promover o projecto. O Turismo do Porto achou a ideia muito boa e disse que sim, claro, como não? Basta a instituição apresentar o certificado de qualquer coisa e nós promovemos os vossos jantares literários.

- Mas a instituição ainda não tem esse certificado, apesar de já estar a operar, todos os dias, porque a CMP demora a fornecê-lo. Note que a Câmara subvencionou a instituição com vinte mil euros para abrir o restaurante.
- Pois. Mas sem o certificado nada feito.

Gasta esta cáfila milhões a "apoiar" empresas, quando o bom-senso é de borla.