19.11.15

Diário de Bordos - Errol Flynn Marina, Port Antonio, Jamaica, 19-11-2015

Ontem à noite:

Vamos pôr ordem nisto tudo:

- Ainda não parou de chover;
- As bombas não estão prontas;
- O Matthew ainda não disse se vem;
- Não é amanhã que terei dinheiro;
- A Alfândega ainda não decidiu;
- As dores no ombro esquerdo ainda cá estão.

Mas:
- O Miles Davis está a tocar;
- Fui outra vez jantar ao Piggy's, ao que parece a melhor Jerk Chicken de Porto Antonio;
- As previsões meteorológicas para a viagem são soberbas.

Se fôssemos pela quantidade diríamos que está tudo na mesma. Felizmente prefiro a qualidade. E ou muito me engano ou domingo estou fora daqui.


Hoje de manhã:

- Parou de chover. As montanhas são verdes outra vez, o céu azul e a água da baía algures entre os dois. Pode ser que os meus sapatos sequem, as toalhas, as almofadas e eu também, que bem preciso.

- Reparei a bomba de água doce, marimbei na de fundo e os rizos estão quase prontos. Domingo ou segunda estou fora daqui.

Gosto da Jamaica, mas Porto Antonio é realmente demasiado miserável para mim. Há quem goste, mas nem sempre percebo porquê. E quando percebo acho horrível.

........
A baía é muito bonita, mas estou cansado e só lhe aprecio a beleza nos intervalos.

E as ruas estão surpreendentemente limpas. Não consigo impedir-me de pensar no Brasil, uma vez mais, e na imundície que se vê em todo o lado. Da sujidade passo ao barulho. Ou melhor, à sua ausência. Está-se e anda-se tranquilamente na rua, sem as agressões sonoras  das ruas brasileiras.

A Jamaica parece-me definitivamente mais um caso triste de país que não merece o governo que tem. São tantos...