12.12.15

Desordem

O S. M. está na desordem habitual de uma embarcação em reparações. S. não gosta de a deixar assim.

Compreendo e agradeço. Mas quem a vai limpar sou eu. Se há uma coisa que gosto de fazer a uma mulher depois de lhe fazer amor quase um mês é beijá-la.

Um barco não é obviamente um ser vivo, mas é quase tão complexo. Aprender a conhecê-lo - diferente  (infelizmente) de aprender a amá-lo - é um processo longo, curvilíneo, tortuoso.

Um processo amável, no fundo.