29.12.15

Diário de Bordos - Simpson Bay Marina, Sint Maarten, Antilhas Holandesas, 28-02-2015 / II

Hoje só me apetece falar da sorte.

Conheço melhor o azar e não sei explicar nenhum deles. Depois do jantar fui ao Yacht Club beber Mount Gay e escrever meia dúzia de patetices. A seguir vim ao Soggy Dollar.

Devia ter começado por dizer que tenho o mais profundo desprezo pelo Soggy Dollar de St. Maarten: uma usurpação de nome desavergonhada, injustificável, imoral.

Pela primeira vez (é a minha terceira) não há mega-iates atracados aqui à frente. O que vejo é a laguna, algumas (poucas, porque estamos no lado holandês) luzes de gajos fundeados e as das colinas em face. A Lua ligeiramente depois de cheia torna todas as outras luzes patéticas: cresçam e apareçam e iluminem a laguna como eu.

Dizer que é lindo fica muito aquém do que é. O bar está vazio, a música baixo, o Mount Gay alto, a Lua brilhante e eu penso "O que é a sorte?" Não sei.

Não é uma fórmula; desconheço verdadeiramente como explicar o que me acontece excepto usando o termo "sorte", cuja definição foge de mim como se fosse uma miúda.

É irritante: devia no mínimo ser capaz de explicar o que me acontece. Sorte é uma palavra vaga,  inoperante e chata. Abre o apetite mas deixa-o insatisfeito. É mais do que ausência de azar.

Sorte é ter esta paisagem à frente, não ter um tusto (vinte dólares é menos do que um tusto) mas ter um barco onde viver, comer e trabalhar, dar um passeio de bicicleta, cair no merdoso Soggy Dollar vazio, pensar "que fiz para que isto me aconteça?" e a resposta ser "Nada".

Nada. Nunca serei budista, mas há momentos em que Nada é uma vida.