3.1.16

Diário de Bordos - Simpson Bay Marina, Sint Maarten, Antilhas Holandesas, 03-01-2016

A Sucrière está a abarrotar. Sento-me na esplanada que dá para a laguna e espero que passe. Por uma razão qualquer não há serviço de mesa, nem aos domingos.

Se a bicha não diminuir vou-me embora, escritos os disparates do dia. Tenho um dia cheio, entre passeio de dinghy pela laguna, compras no lado francês e preparação dos hambúrgueres perfeitos (enfim, uma etapa, mais uma num caminho sem fim).

........
Estes eram os planos. Acabo de saber que o embarque em Atenas é daqui a duas semanas.

Há coisas que vão mudar.

........
Jantar com R. e D. Bom, como sempre (trouxeram-no do S., o que é uma garantia de qualidade).

Depois de jantar converso com D. sobre o novo presidente argentino (a rapariga é brasileira mas vive na Argentina há oito anos). Pensei que depois da horrível Kirchner tudo seria bem vindo,  mas não é.

Apercebo-me sobretudo de que não tenho informação suficiente. Falta-me a leitura regular do Economist, do WSJ, do FT, do Monde.

O mar é um mundo mas não é o mundo.

........
Daqui a três semanas estou a navegar outra vez. É nestes momentos que queria saber cantar.

Não sei e entro esfuziante na pastelaria ao lado da Sucrière. Não tem nem a vista nem a qualidade da outra mas tudo o que quero é um croissant e um café.

A empregada - uma francesa bonita e mal-encarada - pergunta-me o que quero.

- Um sorriso, por favor.

O rosto fecha-se-lhe como se lhe tivesse pedido uma felação terna e carinhosa.