16.4.16

Diário de Bordos - Shelter Bay Marina, Panamá, 15-04-2016 / II

As coisas, tenho-o dito e redito são como são e não como deviam ser ou quereríamos nós que elas fossem. Que me perdoem os revolucionários, activistas, optimistas e todos aqueles que acham que o mundo devia ser diferente.

Têm razão, é óbvio: o mundo devia ser diferente e que ele hoje é melhor do que era há cem anos é prova irrefutável de que quem tem razão são eles, esses a quem agora peço me desculpem por laborar neste erro: as coisas são o que são.  Para mim são. Podia se quisesse elencar aqui uma interminável lista de provas (circunstanciais, é certo) do que afirmo.

Dispenso. O dia de hoje é suficiente e não há revolução ou optimismo que me desconvença.

Sentir-me grato por estar em Shelter Bay, por exemplo. Quem diria? Ninguém e eu menos ainda. Comer no restaurante da marina em vez de comer a bordo. Estar exausto e não conseguir dormir, apesar dos dois execráveis rum punch (Katel, Tanya, Ona, où êtes-vous?) e cervejas e vinho branco que bebi, como se acreditasse que bebendo dormiria.

Sabia perfeitamente que não. Primeiro porque não bebi o suficiente e depois porque o que tenho não se dissolve em álcool. A irrefutabilidade de as coisas serem como são e não como eu queria que elas fossem - apesar de hoje elas terem sido como eu queria e não como seriam se fossem como são - não se apaga com uma cerveja Balboa, um vinho branco caríssimo para o que é ou dois rum punch baratos e maus.

O erro - se fosse honesto diria semi-erro - que cometi à saída de St. Maarten - a saber, uma mistura de fundos e informação - não teve as consequências dramáticas, trágicas que poderia ter tido. Não atravesso o Canal amanhã, prova de que Deus existe ou - mais honestamente - de que as coisas por vezes são melhores do que seriam se fossem como costumam ser; e acho que vou conseguir dormir depois de jantar - este restaurante era horrível; suponho que não tenha mudado; depois de um mau hamburguer e uma cerveja mais ou menos pouco há a fazer, sobretudo se o computador portátil tiver a bateria quase a acabar e o telefone idem -.

Ou seja. Está tudo a correr bem, demasiado bem. Não sei como desenvencilhar-me desta situação. Preciso de dinheiro, mas isso pode esperar até amanhã; de descansar, mas sei que mais tarde ou mais cedo vou conseguir dormir. Vou atravessar o Canal mas amanhã não será a véspera desse dia. Hoje terei descanso.

Pelo menos parcial, porque apesar de tudo as coisas não deixam de ser como são.

........
Estamos em Abril e Shelter Bay está cheia. Hoje até vi miúdas com menos de sessenta e oito anos. Muitas e giras. Tinham todas a mesma T-shirt, o que me faz pensar que estavam no mesmo barco e que quem quer que seja que as tenha recrutado tem bom gosto. Nunca vi mais de três garotas jovens nesta marina simultaneamente e mesmo essas eram do tempo da minha saudosa Nike, que valia por duas.

........
A cerveja está quase a acabar. O hamburguer era horrível. As coisas são como são, mas isso nem sempre significa que são más. Penso em Espinosa: somos nós que as tornamos boas ou más, consoante.

Estou-me nas tintas. Não o bastante para dormir assim que chegar a bordo mas pelo menos que chegue para pensar que o sono e o descanso não estão longe.

Devia ter ficado mais dois dias em Sint Maarten, essa é que é essa e o resto conversa. Não fiquei. Que se lixe. As coisas são como são. Eu não. Sou o que estou "e é tudo o que sou". Hoje, por exemplo, sou um homem cansado, com problemas que me sobrevoam como urubus e apesar de tudo consegue encontrar harmonia nisto tudo.

Questão de entropia, aposto. Ou de resignação, aposto mais ainda.

........
Um dia começarei uma nova carreira: escritor, fotógrafo e barman. Três novas carreiras, como um chapéu espanhol.

No jodas. O meu universo próximo consiste em dormir, acordar amanhã,  não ter rigorosamente nada que fazer se não descongelar o frigorífico, continuar a digerir a raiva que tenho ao G. - está cada dia mais fácil - e pensar que qualquer dia estou numa praia perto de Lisboa a tentar convencer uma jovem senhora de que sou um homem decente.

Sou. Não foi fácil porque as coisas etc. mas sou.

........
Um homem decente dorme, não escreve disparates.

........
Equilíbrio delicado e difícil, não é? Entre o que as coisas são, o que aceitamos que sejam e o que fazemos para que não sejam.