17.7.16

Diário de Bordos - Almerimar, Almeria, Espanha, 17-07-2016

- Como estás? - pergunta-me a amiga mais querida, uma das poucas que prova a existência em mim de um coração, de não ser eu um farrapo de nuvem perdido por esse horizonte fora.
- Como posso - respondo. - Cansado e feliz, com sorte numas coisas e azar noutras, farto do Ménière até à ponta dos cabelos e contente por a crise não ser pior, ansioso por voltar a Lisboa e igualmente ansioso por continuar esta vida.

Numa palavra: a mescla habitual, mais vertigem menos vertigem.

.........
As alemãs (as do Sul de Espanha, claro) dividem-se em:
- Alemoas;
- Alemás;
- Alemordas;
- Alemagras;
- Alerrias;
- Arrelias.

Há outras, mas não estão aqui.

........
Parados em Almerimar por causa do tempo. Não me queixo: nem a marina toda conheço. E dos dois restaurantes que conheço tão pouco me queixo: oscilam entre o medíocre mais e o suficiente menos. Podia ser pior.

........
Tudo podia ser pior; e pouco melhor. Nada desta última categoria depende de mim, ou pelo menos só de mim. Melhor não me preocupar muito: haverá decerto quem se preocupe por mim.

........
A partir de amanhã vamos começar a navegar à noite. Por muito bem que as coisas corram podem sempre melhorar.