19.1.17

Diário de Bordos - Lisboa, 19-01-2017

Estariam vinte e muitas, trinta e poucas pessoas no café Tati para ouvir o Gonçalo Marques e a sua banda Reiquiavique (não sei se ele grafa assim). Com a possível excepção de todos aqueles que hoje em Lisboa encontraram o amor das suas vidas (espero que muitos) ou ganharam o euro-toto-loto-milhões (decerto menos) essas pessoas foram as mais sortudas da noite.

........
Há precisamente um ano estava em Atenas com temperaturas ainda mais baixas do que as que estão aqui.

Não sei que sentido dar a esta informação. Será um bom ou um mau augúrio?

Enfim: será um augúrio? Eu creio que não, pero que las hay...

........
Este último mês foi um dos mais difíceis de sempre. Não quero dizer que não tenha tido piores. Já tive. Mas este vai para o pódio de certeza. O pior é ter acontecido tão perto da meta.

Melhor ver a coisa pelo outro lado: nunca me senti tão perto da meta.

........
Diz-se frequentemente que os amigos são irmãos que escolhemos. São o inverso: irmãos que nos escolhem.

........
Acabei Os Amantes e outros contos de David Mourão-Ferreira e comecei Jogos de Azar de Cardoso Pires. Não sou muito dado ao neo-realismo, mas forçoso é reconhecer que dentro do género Cardoso Pires é dos melhores.

Pelo menos consegue tornar legível o horror. Não é pequena proeza.