26.2.17

E os livros

E os livros. Em todo o lado livros a dois ou três francos, como novos. Para se ter uma referência uma bica custa três francos e meio, quatro.

Quando digo todo o lado é isso: em todo o lado, "partout, everywhere", em lojas, nos passeios, nas feiras, nas organizações de ajuda, nas livrarias. Na Recyclables, que agora tem um café (agora?), onde compro os postais.

Le Clézio, Duras, uma história do Império português no Oriente entre 1500 e 1700, Teresa Cremisi - uma descoberta, a tal cujo livro começa com "J'ai l'imagination portuaire." e me faz dar saltos a cada parágrafo  (foi o único livro novo que comprei até aqui). Um livro de Hildegarde encomendado. Jaccottet, que trouxe sem querer de casa do J. e de que espero ler mais uns capítulos antes de o devolver.

Livros, queijo, vinho, política,  família, sol, calor (pelo menos para a época), amigos, mercados, a Livresse e a Ferblanterie e a Rue de Carouge e Plainpalais aqui mesmo ao lado.

Tu parles d'un tourbillon...