8.3.17

Há coisas que não mudam

A reunião era ao meio-dia. Cheguei às onze e quarenta e cinco e a senhora pediu-me para ir beber um café. Voltei ao meio-dia. A senhora não estava, mas uma das empregadas explicou-me que estava "um bocadinho atrasado" porque "há outras pessoas". É meio-dia e meia-hora. Não me admira que as empresas portuguesas tenham de pagar salários baixos. A desorganização não se compadece com salários correctos; e a falta de respeito pelos outros é vista como sinal de poder e não como aquilo que é: falta de respeito e falta de educação.

Algo me diz que daqui a pouco me vou embora. Não consigo habituar-me a isto. Ou não quero.