9.1.18

À espera, cavalos voadores

O post é sobre cavalos voadores mas só porque acabo de ler a expressão numa frase linda que vi agora na página de um jornal americano no Facebook; se não seria sobre outra coisa qualquer. Sobre a espera, por exemplo,  quão horrível esperar é, nunca acaba, por muito treino que um gajo tenha, por muitos dias sem vento ou com vento a mais ou horas de corrente contra ou dias à espera de peças numa marina. Nenhuma espera acaba nunca, o mais provável é que deixem cicatrizes muito lá dentro no fundo e portanto quando vem uma espera nova é como se fosse um simples recomeço das esperas todas pelas quais um gajo passou.

Um bocado como os cavalos voadores, na verdade. Ou a estúpida incapacidade de falar daquilo que nos atormenta e tortura.