1.1.18

Sheila - II

Ambos queríamos que passasse depressa, mas não passou. Fui levá-la ao aeroporto - ela não queria, mas insisti e menti-lhe dizendo que de qualquer forma tinha de ir a Lisboa. Enquanto ela estava na fila para o check in fui comprar um bilhete. Disse-lhe que a reencontraria no cafe ali ao fundo, vês aquelas mesas?, é esse. Só percebeu quando passei o filtro de segurança logo atrás dela. Pus tudo o que tinha num tabuleiro - quase nada, claro: a carteira e o telefone.