24.3.18

Diário de Bordos - Palma, Mallorca, Baleares, Espanha, 24-03-2018

Se eu tivesse juízo poderia talvez esperar um pouco, até chegar à Babel; não tenho e não posso. O dia está horrível e vim fazer compras - a coisa mais perto da tortura que conheço a seguir a um dia sem vento no mar -. Preciso de dois pares de calças e o P. de trapos, destino que há muito espera as minhas calças actuais (é uma promoção).

Não há nada no processo das compras que me agrade, desde a entrada naquelas lojas horríveis de grande e sem um vendedor à vista (não tenho dinheiro para ir às pequenas com dois vendedores chatos, insistentes e snobs para cada cliente) até à saída entre grades anti-roubo e seguranças com cara de idiota (é a única, eu sei).

Aproveito os dias de tristeza, chatice, melancolia ou mesmo depressão para me aventurar por esses corredores - na pior das hipóteses apenas pioram um estado pré-existente; na melhor mantém-no -.

Não foi sempre assim. Já gostei de comprar roupa (especialmente gravatas; tinha bom olho para elas). Hoje relembro esses dias e pergunto-me o que se terá passado.

Não sei. Não me interessa.

........
O plano do dia está traçado: depois de um copo na Babel e ou na Sifoneria como um pintxo na Quinta Puñeta e volto para bordo. Hoje à noite entra badanal, ainda pior do que o que está. Não consigo ficar longe do bote, apesar de desta vez ter vindo preparado para isso.

........
No P. chove como na rua (é mentira. Exagero grosseiro). Nada me deprime mais do que um barco molhado, nem mesmo uma mulher frígida - de que não tenho (talvez seja por isso) grande experiência, ao contrário de barcos molhados -. Lembro-me de quando navegava no SOLENA, uma folha de plástico por cima do saco-cama; dos chaços todos que levei de um lado para o outro no Norte da Europa; de uma viagem que fiz para Vigo num Mumm 36. Lembro-me demasiado e se calhar é por isso que agora a simples vista de uma gota de água a pingar de uma escotilha me faz ir às compras.

........
Em baixo da Costa de Sa Pols, a rua na qual vivi aqui em Palma abriu um café chamado Ovelha Negra. O vinho é excelente, o empregado brasileiro e o frango frito quase bom.

Ainda bem que o tempo não volta para trás. Que pena o tempo não voltar para trás.