28.3.18

Por cima da pele

Eu sei. Não olhes assim para mim. Estou nu no meio do pátio, rodeado de livros que não lerei nem na terceira reencarnação a partir desta. Não me olhes assim. Gosto da música e deste calor tão recente mas não gosto que me olhes dessa maneira.

Ou melhor: que não me olhes dessa maneira. Por ti despi-me, vim para este pátio expor-me. Todos me vêem menos tu.

Não sei quem é todos. Tanto me faz. Massa de olhos indiferenciados, enquanto não fizeres parte deles.

Não olhes assim para mim; olha para mim, vestido só de ti por cima da pele.