25.4.18

Diário de Bordos - Paguera, Mallorca, Baleares, Espanha, 25-04-2018

Encontro o P. melhor do que esperava. Amanhã mudo-me para bordo. Não se pode dizer que seja um hotel de cinco estrelas mas é como se fosse. Isto é: é melhor do que qualquer hotel, tenha as estrelas todas do céu se quiser. Está desarvorado, coitado, com o mastro a sair-lhe três metros pela proa e dois pela popa. Hoje tirei-lhe os vaus e comecei a tirar os brandais, andei pelos fundos - o motor já saiu -; tenho de ir a Palma buscar meia dúzia de coisas.

Há pessoas que não gostam de refits. Percebo-as perfeitamente: é como gostar de andar à beira do abismo num dia de muito vento sabendo que a pedra onde caminhamos pode esboroar-se por ali abaixo a qualquer momento. Se não for a pedra é o vento. Se não forem a pedra e o vento somos nós. Ou Deus, a existir. Ou o azar. Sei lá: o universo inteiro conjura para nos pôr lá em baixo. 

Um dia o refit acaba e é a vida: não é como queremos mas é o melhor que podemos e quando vamos a ver já é muito.

Quando o bote merece é ainda melhor, um paraíso. O P. merece.

........
Paguera - o sítio onde estou até amanhã, mais ou menos a meio caminho entre Palma e Port d'Andratx - é menos desinteressante do que Port d'Andratx e menos interessante do que Palma. Três em cada duas pessoas são alemãs. Infelizmente a escola de línguas Al Almofada só funciona para quem quiser aprender alemão da Idade Média. 

Uma longa rua com restaurantes, lojas de roupa e dois supermercados  (até agora). É compreensível que os alemães escolham isto como destino de férias: não precisam de articular uma única palavra de espanhol. 

Nutria uma certa simpatia pelos boches, antigamente. Agora cansam-me. Se ao menos fossem jovens... A medecina moderna é uma maravilha mas com a modernização perdeu de vista os critérios estéticos.

........
Janto na Casa Enrique, como ontem mas pior. 

Escolhi um prato em vez de tapas. Qualquer dia volto cá, para tirar dúvidas.

Isto dos restaurantes é como as mulheres em menos: não são precisos cem anos para saber se nos enganámos.