29.5.18

Diário de Bordos - Paguera, Mallorca, Baleares, Espanha, 29-05-2018

Chamas a isto um dia? Chama-lhe um mês, um ano, um sentido até se quiseres. Porque hoje foi muito mais do que tudo isso.

Como se o P. tivesse ressuscitado subitamente, como se a luz deixasse de tremelicar lá ao fundo e fosse o túnel todo iluminado de uma vez, não devido a um só interruptor mas a muitos. Que salto, que mergulho tão altos e tão para a frente. Vieste para casa a cantarolar Avante Camarada, Avante (depois continuava: Junta a este muitos dias).

........
Acabei The Only Story, de Julian Barnes. É a história de amor entre um miúdo de dezanove e uma senhora de quarenta e oito anos (quando começou). Durou "dez ou doze anos", diz o narrador (a personagem masculina já numa idade avançada). A história é contada em modo memorial, dá saltos para trás e para a frente.

Não deixa uma única porta ou janela do amor por abrir. A maestria narrativa deixa-nos sem ar como um pontapé nos tomates, um pôr-do-sol particularmente bonito ou o não desesperado de uma miúda que amamos: ataca-nos por todos os lados, o físico, o estético e o dos sentimentos.

A última vez que me senti assim ao acabar de ler um livro foi com o The Sea, The Sea de Iris Murdoch.

........
Uma insónia como se os dois braços da ansiedade tivessem passado a noite a tricotar dentro de mim. De vez em quando trocavam as cores, para se divertirem.

Vá lá: consegui ler. A manta era pesada mas não opaca. O resultado é que agora morro de sono, claro. Mal me tenho de pé.

Ele que espere. Passou a noite a gozar-me, agora paga.

........
O café Can Miquel, em Andratx é certamente muito bonito, mas infelizmente o sei interesse queda-se por aí. Isto é como tudo na vida: antes o conteúdo do que o continente.