9.9.18

Pairar, derivar

Um navio (ou uma embarcação) no mar, sem meios de propulsão, ao sabor portanto do vento e da corrente está à deriva se essa situação for involuntária e a pairar no caso contrário.

Deriva-se devido a uma avaria, o mais das vezes. Já pairar tem várias causas possíveis: esperar uma maré, pescar num baixio, esperar um piloto ou a luz do dia (ou a noite, nos casos em que é preferível navegar à noite).

Isto é: se eu fosse um navio (ou uma embarcação) hoje teria estado à deriva. Completa, absoluta, indiscutível. Felizmente nem todas as derivas acabam mal. A de hoje, por exemplo levou-me a bom porto.

Tão bom que se calhar vai a ver-se e não foi uma deriva. Fui a pairar de Lisboa até Sintra, ao sabor do comboio e de uma bicicleta medíocre, da ausência de planos e de camionetes e em Sintra fiz uma escala extraordinária, daquelas que nos fazem pensar que se todas as derivas acabassem assim as derivas acabariam para sempre.

(Para a A., com um beijo e um oceano).

Sem comentários:

Publicar um comentário

Não prometo responder a todos os comentários, mas prometo que fico grato por todos.