10.11.18

Tu não podes

Hoje fiz escalopes panados, aquela receita em que se mistura o pão com queijo ralado. Ficaram bons, pensei que gostarias se aqui estivesses, mas tu não podes, pois não? O vinho era bom, o tinto da casa da Sifoneria, mas tu não podes.

Amanhã é sábado e só trabalho de manhã, tenho o I. a bordo a pintar os vaus e à tarde têm de secar; mas tu não podes.

Não poder viver é horrível, sabes muito bem. Mas não podes. Faltas-me muito, tanto como o ar, mas não podes.

Se pudesses, encher-te-ia a pele de poemas - tu és um poema escrito pela genética, poema de carne sangue olhos e desejos, o teu e o meu, poema sem fim de cantar, amar, louvar, acção de graças à vida.

Mas tu não podes.

Sem comentários:

Publicar um comentário

Não prometo responder a todos os comentários, mas prometo que fico grato por todos.