15.1.23

Revolução

Falava eu de revolução, mas não no sentido político. A política interessa-me pouco e esse pouco não inclui mudanças bruscas do que quer que seja. Não gosto de mudanças. Claro, podem vir dizer-me que a revolução industrial e blá blá blá. Tão pouco é dessa revolução que falo. Só uma revolução me interessa: a dos astros. Orbitar. Quantas órbitas deu a tua vida? Quantas voltas e a quê? A quem? Olhas para uma órbita como um fractal: começa na galáxia e acaba num asteróide em torno de um miniplaneta. Há vidas assim: órbitas fractais. Resta saber se as revoluções estão no mesmo plano ou se são elipsóidais. Cilíndricas? Vidas a duas ou três dimensões? Passeias-te com os fractais pela galáxia, feito dandy, fato de linho branco, chapéu e bengala e ela não te liga nenhuma, a galáxia. Nem a Lua sequer quer saber de ti. Verdade seja dita: nunca pensaste que eras tu o eixo da revolução. Se pensaste não disseste. Se disseste, ninguém ouviu. Uma sorte, repara. Nessa coorte de surdos que te segue, te precede, te envolve encontraste um canto para orbitares em paz. Estás sozinho no teu microplaneta, um espaço feito de ti e um elefante dentro de uma serpente. Aqui dispensas o fato de linho e a bengala. Dispensas tudo e todos, até o estúpido do elefante que ninguém sabe como se foi enfiar pela cobra dentro. Estás sozinho no meio de um exército de surdos a quem não tentas falar, de cegos que não te querem ver. Acabas de decidir que a tua vida é tridimensional: permite-te mais variedade. Com sorte consegues encher o sólido que desenhas no microespaço com algo de sólido. Tempo? Futuro? Passado não: há muito que o deixaste vadiar pelo espaço, sem rumo nem destino. Imagina um pião numa rampa. Não. Uma folha de papel A4 girando em torno do seu lado maior? Sim. Gera um cilindro cheio do que nela estiver escrito. Resta saber se estás do lado de dentro se de fora do cilindro. Se não te ouvem por serem surdos se por terem uma parede que os separa de ti. Indiferente, vais enchendo a folha A4 de palavras desconchavadas, de diagramas geométricos, de planos estelares. É isso que de ti alguém um dia encontrará: palavras, diagramas e planos. Estelares. Fechados.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Não prometo responder a todos os comentários, mas prometo que fico grato por todos.