11.8.09

Texto para o grafólogo

Devo falar de coisas que conheço, ou antes do que ignoro? Daquelas em que acredito ou das de que duvido (como a grafologia, por exemplo)? Devo incluir palavras com "z" - Zulu, Zâmbia, aqui jaz alguém que não gostava de jazz? Ou "j": Joaquim, jamais (em francês, claro), jaz, outra vez?

Pois. Morreu o homem do "pois", provavelmente a melhor contribuição para determinado tipo de vocábulos em que a nossa língua (ou o nosso país? Ou a nossa cidade?) são prolixos. É pena: morreu demasiado cedo. As pessoas como ele morrem sempre demasiado cedo. Ou então morrem na China, vá saber-se (só tinha um "h").

Bom. Tenho todas as letras em duplicado. Não: falta o "x" (táxi), o "y" (yankee) e o "w" (whisky, quilowatts).

Faltam todas. O meu abecedário só tem duas letras: "t" e "u", ao infinito.

Sem comentários:

Publicar um comentário

Não prometo responder a todos os comentários, mas prometo que fico grato por todos.