30.4.14

Diário de Bordos - Shelter Bay Marina, Panamá, 30-04-2014

Nem com pena nem sem ela: os armadores desistiram da viagem e já não vou ao Equador.

É chato, mas não é uma tragédia: continuo a ter trabalho no T. e já tenho mais um cliente na lista - entre outras para fazer uma coisa de que gosto, dar aulas de vela - apareceu uma possibilidade de transporte para as Fidji (na qual acredito pouco, mas enfim) e há sempre o o line handling para quem atravessa o canal - ganha-se pouco mas é melhor do que nada -.

Continuo preocupado com as minhas coisas - o computador portátil, os binóculos do meu Pai - que ficaram no Catamaran e das quais não tenho noticias. A minha decisão de não voltar a  trabalhar para idiotas tem fundamentos sólidos.

Com a semana de trabalho que me espera poderei comprar um bilhete de avião para Palma. Não é mau - e confirma a minha previsão de um mês em Shelter Bay. Mais um mês. O elástico que esta marina parece amarrar às embarcações que por aqui passam serve também para marinheiros em seco.

........
Não há nada mais bonito cedo que uma manobra bem feita; ou mais penoso do que ver um barco caro e bom nas mãos de um azelha. O Catana que acaba de chegar fez uma atracação linda, limpa, fluida. Duas pessoas a bordo e nem um grito, uma correria, uma hesitação. E o espaço é apertado.

Num barco não se grita, não se corre e não se salta. Como na vida.

........
Gostava de ir às Fidji. Estou a  convencer o armador a deixar-me ir sozinho. Mas antes ele tem de convencer-se a dar-me o trabalho. Enfim, convencer-se de que quer o barco nas Fidji e não em Shelter Bay.

.......
Nada a fazer. Não fui feito para viver em marinas.