19.4.14

Diário de Bordos - Shelter Bay Marina, Panamá, 19-04-2014 (Cont.)

De maneira agora faço reparações e manutenção num ketch de 50 pés que tem um nome bizarro e pertence a B., jovem e sorridente jogador profissional de poker. B. tem uma daquelas faces que torna quase impossível adivinhar-se-lhe a idade. Suponho que ande à volta dos trinta anos, e queixa-se de que desde que comprou oT. não consegue trabalhar, porque "o barco é um trabalho em si mesmo". Viaja com o irmão, C., mais novo e igualmente sorridente. Estão muito contentes com o meu trabalho, pelo que a cada dia tenho mais. E já me falaram em fazer uma etapa com eles - depois de atravessarem o Canal vão para o Equador e daí sobem até ao México.

O casco é em sandwich de balsa e tem pelo menos uma entrada de água. Disse-lhes que deviam vigiar atentamente aquela área e estou bastante tentado a discutir a proposta de navegação. Nunca estive no Equador, mas sei que é bonito. E gosto de navegar no Pacífico. E já sei que não vou para o Brasil. E o rapaz está longe de ser um idiota.

A ver vamos.

........
Vim a Colon fazer compras. Entro num verdadeiro supermercado (um bocadinho diferente dos padrões europeus, mas grande e com bastantes referências) e lembro-me do fascínio da minha Mãe pelos supermercados quando ia à Suíça visitar-me.

Naquela altura ria-me; agora compreendo-a: uma hora num supermercado vale muitos tratados de sociologia ou relatórios da CIA sobre um país.

........
Se alguém um dia me tivesse dito que poderia ser feliz em Shelter Bay eu ter-lhe-ia respondido que só louco. É mentira: a felicidade é onde um homem quer. Ou pode.