26.6.14

Diário de Bordos - S. Luis, Maranhão, Brasil, 25-06-2014 (post a posteriori)

Hoje consegui pela primeira vez não passar por ET.  Li não sei onde que Portugal tem de ganhar por cinco golos ao Gana; quando a primeira pessoa com quem falei logo de manhã exprimiu a sua pena por a nossa selecção estar prestes a regressar a casa fiz um ar entendido e repliquei Ora, só precisamos de ganhar por cinco a zero.

Uma das coisas que aprecio no Brasil é que a ironia é entendida e apreciada. A piada teve sucesso e usei-a mais duas ou três vezes durante o dia. Não posso ainda dizer Sou um deles. Mas pelo menos evitei esgares atónitos, sorrisos mais ou menos trocistas e explicações desconchavadas, que me fazem sentir como se estivesse a falar chinês a um gajo que só fala espanhol.

........
Ontem conversava com o Sérgio sobre o assoreamento da baía. Faz dó, este lamaçal enorme, absurdo, prejudicial. Explicou-me que o marido da Governadora - uma Sarney, ou seja uma versão pior e ainda mais corrupta dos Soares - tem uma lancha a motor e já falou diversas vezes nas vantagens de dragar aquilo.

A baía começou a assorear há cinquenta anos, quando alguém mandou construir uma barragem no rio Bakanga. As consequências foram catastróficas: ash pessoas que viviam da pesca tiveram de mudar de ofício, a baía começou a assorear a um ritmo alucinante e o Bakanga transformou-se numa espécie de cano de esgoto sem saída.

Um dos organismos que se opõem à dragagem da baía é o IBAMA, o instituto brasileiro cuja função oficial é proteger o meio ambiente. A verdadeira missão, claro, é diferente: consiste em servir de coito a milhares de pequenos déspotas e dar-lhes oportunidade de exercer a sua autoridade sem qualquer espécie de controle e em total impunidade. O IBAMA é um organismo fascistóide, ditatorial, tirânico, cheio de Hitlers em potência.

Mas como sempre a história é complicada: quando começou a falar disso o marido da governadora - que por mera coincidência é filha do homem que mandou construir a barragem - começou a ser acusado de querer encher os bolsos e ao fim de um bocado abandonou a ideia. Ou seja; o homem queria fazer - ou que se fizesse, ele não tem nenhum cargo oficial - uma coisa boa; mas a sua paciência é menor do que a desconfiança dos brasileiros de tudo o que cheire a político, e do que os tiques fascistas de um organismo público, cujo lema é (cá como em todo o lado) não fazer nem deixar fazer.

Um dia li um artigo segundo o qual as pessoas desconfiadas são mais enganadas do que as que confiam nos outros. Esta história é uma maneira estranha de confirmar a validade dessa tese, ou a sua aplicabilidade a outras áreas.

Se bem, no Brasil, a desconfiança de tudo o que cheire a político seja mais do que justificada. Como me dizia ontem um condutor de táxi, S. Luís tem azar com os prefeitos. Sai um ruim para entrar outro pior.

........
Hoje fui à ponta da Areia, um dos bairros chiques de S. Luís. Ia a uma reunião do clube de vela do qual Sérgio faz parte. Qundo cheguei não estava ninguém e resolvi ir dar uma volta pelo bairro. Parece outra cidade. Assim percebe-se porque tanta gente gosta do Brasil. A música não está aos berros, as pessoas não estão ou cheias de crack ou a tentar encher-se dele, os bares e restaurantes são bonitos e bem tratados, o ar não cheira a mijo. Podia estar em qualquer cidade americana ou europeia. Limpeza, silêncio, mesas e cadeiras de qualidade.

A gentrificação dos centros das cidades é uma constante em todo o lado. Pergunto-me quanto tempo vai levar em S. Luís. Uma vida ou duas, no mínimo.

O Brasil é um país que constrói aviões e vende armas à França. Na Ponta da Areia e na Lagoa da Jansen é fácil ter isso presente. No Reviver é impossível.