11.11.14

Diário de Bordos - Belém, Pará, Brasil, 10-11-2014

Estou de novo no meu bar favorito de Belém. Chama-se Cosa Nostra e é o único que conheço. Hoje tem música ao vivo. Um baterista e um guitarra. Começaram bem, um pouco jazzy. Depois resvalaram para a música brasileira.  Curiosamente têm muito menos aplausos.

Ou as pessoas gostam de jazz ou se cansaram de os aplaudir.

........
Mais uma noite e um dia em Belém.  O despachante que devia ter aparecido às duas e meia da tarde chegou às quatro e meia.

Mas não foi por isso que fiquei. Disse-me que talvez consiga tirar as peças amanhã.

Ao princípio duvidei. Garantiu-me que não estava a inventar. De qualquer forma teria de pagar o quarto - não o deixei, porque começo a conhecer o Brasil - e creio que posso passar mais um dia fora de S. Luís.

Aquilo está por um fio. Sinto-me um equilibrista ou malabarista ou construtor de castelos de cartas. Três semanas de trabalho simples não me farão mal.

........
Hostel é simplesmente outra palavra para espelunca? Sim e não.

A quem acredite mais no não sugiro o hostel Amazónia,  na rua Ó de Almeida. 548 (sei a morada de cor. Agora é a minha morada oficial no Brasil.  Pelo menos para efeitos de alfândega). Quem tenda para sim, a pousada Portas da Amazônia,  perto da Sé.

Qualquer está bem para o preço que cobra, bem situado - o hostel no centro, a pousada perto do mercado A Ver-o-Peso.

........
Não estou a ouvir a música.

........
Simetrias diacrónicas, ressentimentos assíncronos.

Para quando simetrias síncronas?