9.1.15

Diário de Bordos - Cole Bay, St. Maarten, Antilhas Holandesas, 09-01-2015

Um dinghy de 17' com um motor de noventa cavalos que não é bem um dinghy, é um tapete voador; um dia lindo; percorrer a laguna nos ditos dinghy e dia.

Tudo isto precedido por uma soberba carbonnade (de porco, pela primeira vez na vida. Deliciosa). E sucedido por um rum punch com mais rum do que punch, porque na verdade o que me faz mal na mistura são os sumos de frutas, açúcar puro. O rum não: é açúcar destilado, sem demónios.

Esticando um bocadinho a definição de trabalho posso mesmo dizer que tudo isto foi trabalho.

........
Como levar a sério a burocracia francesa?

Sinto-me como se estivesse a combater um tanque armado com uma fisga. Terei uma quantidade infinita de pedras? Se sim, ganho. Se não perco.

Uma vez mais confirmo a minha opinião sobre os governos, todos: não há declaração de intenções, de objectivos, de projectos, programas e mai-la puta que os pariu que não seja balela.

A próxima vez que ouvir o palerma do Hollande falar de luta contra a exclusão social esfrego-lhe a minha história nas ventas. Anda aqui um pobre skipper solitário e longe de casa a tentar integrar-se na sociedade francesa e só lhe aparecem obstáculos pela frente.

Parece que estou a subir uma escada rolante descendente. Só temo que isto se transforme num desafio. Queira deus que não.

........
Hoje explicava ao Greg porque não podia pagar o alojamento e ele, mal eu começara, perguntou-me "Estás a trabalhar do lado francês? Então não há problema".

........
Vou deixar o dinghy / tapete voador antes do segundo rum punch (e na happy hour, ainda por cima). Sou um fraco carácter, mas profissional.

De qualquer forma a partir de amanhã vou ter uma semana de dias loucos, nos quais o profissionalismo se mede pela capacidade de gerir o caos e não de o criar.