31.8.15

Diário de Bordos - Porto, 31-08-2015

 Adormeci e fui parar a Famalicão. Pelo menos cheguei directamente a S. Bento, uma hora e meia depois do previsto e onze euros mais caro do que o que poderia ter pago. Outra vantagem: prefiro um comboio em movimento a uma esplanada, ainda que seja ao lado da estação, bonita a luz do fim do dia, agradável a temperatura, bom o vinho verde e linda a empregada (uma - soube-o mais tarde - lituaniana alta, magra, loira e sorridente. Conjunto que raramente falha numa mulher).

O restaurante chama-se Tapabento. Já foi uma tasca; agora não é (mas tem uma à esquerda e outra à direita). Parece bom. Na mesa atrás de mim está um casal francês que vive na Guadeloupe e um senhor inglês agora residente na Tailândia (não sou curioso e sou surdo, mas a esplanada é pequena e o senhor francês fala alto). Todos deliciados com as tapas que comem.

Não percebo por que raio de carga de água chamam tapas aos petiscos, mas enfim.

........
Belíssima imagem do Porto, de resto. Mudou muito e em tudo menos no essencial.

........
Aveiro também mudou, mas estive pouco tempo lá. gostei de ver os canais arrumados, limpos, cheios de moliceiros a passear turistas.

Salvo dois ou três sítios nada me indicou que já ali vivi um ano. Em 1981 ou 82 é certo:terá havido vida no passado?

........
A viagem de Évora a Aveiro faz-se num instante: cinco horas, dois jornais, uma sesta e um lanche medíocre na estação do Oriente.

Não há estação no Universo mais feia e menos prática do que aquela. Talvez seja bonita por fora; fotogénica. Mas o interior é um pesadelo cinzento, opressor. Parece uma teia de aranha desenhada por um aprendiz de Piranesi.

Apesar disso e enquanto como o pior lanche da minha vida ocorre-me que devia escrever um manual sobre a sorte. Ou talvez sobre a inconsciência: só uma ou outra conseguiriam explicar porque me sinto tão feliz, apesar de não ter um tostão.

E não sou daqueles que pensam que o dinheiro não faz a felicidade; faz. Não a compra, o que é diferente.

........
Pergunto a mim mesmo se as pessoas que pensam que a saúde é um direito natural e deve ser gratuita trabalham de borla para os médicos, enfermeiros e respectivos auxiliares, hospitais, centros de saúde farmacêuticas e todos os fornecedores de tudo o que a medicina envolve.