7.1.16

Diário de Bordos - Simpson Bay Marina, Sint Maarten, Antilhas Holandesas, 06-01-2016

A desculpa para vir a Philipsburg foi conhecer Erik, dono de um estaleiro aqui e muito recomendado por C.

É sempre útil conhecer fornecedores de serviços e alguém tão recomendado justificava amplamente a viagem.

A verdadeira razão foi querer ver isto uma última vez antes de me ir embora. Por pouco que se goste de Philipsburg  (e é impossível gostar mais do que pouco) forçoso é reconhecer que despida das hordas de passageiros dos paquetes a cidade até nem é feia. E come-se bem, variadamente.

Hoje está cheia desses horrorosos seres que saem dos navios - como farão para os escolher? São todos igualmente feios -  e o meu almoço começou com um ceviche de entrada no restaurante Nazca, peruano; ao qual se seguiu um guisado de carneiro no The original jerk and roti house, Jamaica; e terminou na Taska com uma empanada da República Dominicana.

Ou seja: conheci Erik - um rapagão que inspira confiança à primeira vista - e viajei gastronomicamente pelas Caraíbas e pelo Pacífico. (Que o meu ceviche seja melhor do que o do Nazca entristeceu-me, mas enfim. Não se pode ter tudo).

.........
Último dia em St. Maarten. Fui jantar com a tripulante ao Yacht Club. Jantar simpático e simples.

Uma senhora vegetariana é chato em casa mas agradável no restaurante. Ainda por cima insistiu em pagar uma parte do seu jantar.

........
Descubro com um certo horror que amanhã vou ter um dia cheio de trabalho.

O mito de Sísifo talvez seja uma metáfora para toda a humanidade. Para um marinheiro é uma descrição simples e realista do quotidiano.

........
Sou um grande fã das insónias quando tenho um bar ao lado e dinheiro no bolso. São uma bênção. Dormir é aborrecido.

O pior é que essas duas condições são menos frequentes do que as impossibilidades de dormir, coisa que demonstra de forma definitiva a injustiça da vida.

E a beleza da sorte.

........
Chove como se Deus estivesse a vomitar. Felizmente não bebe álcool. Faria se fosse eu.

Infelizmente isto levou a rapariga do bar onde me acolhia a pôr uma música execrável cujo tema é a chuva e consegue, espantosamente, ser ainda menos agradável.

Pena o Soggy ter voltado à sua condição habitual: infrequentável.

........
Guterres diz que o seu candidato à presidência é quem o PS escolher.

A acefalia da política portuguesa seria inquietante se não fosse tão fascinante.

Por vezes comparo-a à adesão a um clube de futebol. Que longe estou! Apoiar um clube de futebol parece um acto racional, pensado e pesado ao lado das escolhas políticas.

E este foi primeiro-ministro. Imagine-se quem nele votou.