9.2.17

O que há num nome?

Nunca fui grande admirador da capacidade suíça para encontrar nomes para as coisas  (cafés,  bares, lojas e por aí fora). Pelo menos até descobrir que o nome das coisas é completamente indiferente ao seu êxito ou falhanço. Mas isso veio muito depois, quando em Genève tinha um escritório ao lado de uma loja da Haägen Dazs. Perguntei-me um dia quanto tempo teriam os senhores da Olá passado à procura de um nome que fosse simples, comunicativo, convidativo, etc. E alguém aparece a vender a mesma coisa - em melhor - com um nome como Haägen Dazs. [Confirmar grafia].

Verdade seja dita que in illo tempore a legislação genebrina proibia a um comércio ter duas actividades diferentes. Se era livraria vendia livros, não vendia cafés,  discos ou sapatos. E vice-versa. Isso mudou - na Suíça as leis são feitas pelas pessoas, não por políticos e portanto mudam quando é preciso - e hoje estou num café cum livraria chamado - oh delícia de nome - Livresse.

Dá vontade de roubar, não dá?