28.3.17

Diário de Bordos - Miranda do Corvo, Portugal, 28-03-2017. A vida no campo - II

Ontem o problema no Centro de Saúde foi o tempo de espera. Tinha a consulta marcada para as duas e dez e a médica - uma rapariga jovem, nos seus trinta e poucos anos - chamou-me às três e dez. Fiz-lho notar (em termos que me parece terem sido correctos e educados), a senhora não apreciou e saí de lá sem ser atendido. Uma hora para nada.

Hoje voltei. Pedi para ser atendido pela médica com quem conversei no sábado, uma senhora provavelmente da minha idade, simpatiquíssima. A funcionária do guichet das marcações avisou-me de que a médica "estava atrasada" (ontem comecei por reclamar ao balcão). "Muito bem. Mas quão atrasada?" "Olhe, para o senhor ter uma ideia uma senhora tinha a consulta marcada para as dez e quarenta e ainda não foi atendida".

Era uma da tarde.