25.8.17

A semântica da paisagem

Portugal é Lisboa e o resto é paisagem, dizia-se antigamente. Hoje todos sabemos que é mentira.

Poder-se-ia quando muito dizer que o português é falado em Lisboa; no resto do país fala-se uma língua parecida.

Venho comer um prego a um café da avenida. Sai-me um bife com ovo a cavalo (nem de propósito), salada, arroz e batatas fritas (tudo no mesmo prato, em camadas).

Um senhor traz-me aquele monumento à arquitectura gastronómica e eu começo por pedir-lhe me tire o arroz; e à senhora que traz a coisa isenta do dito me dê um prato para a salada (não gosto de misturar quentes e frios no mesmo recipiente. E muito menos de misturar salada com comida).

O "prego" mai-lo ovo e as batatas enchem o prato até às bordas, sem segundas intenções. Pergunto à senhora,  quando chego ao fim, o que devo pedir quando quiser a mesma coisa em mais pequeno.

- Pediu um prego, não foi?
- Sim.
- Então não tem nada mais pequeno.
- Não tem bitoques?
- Temos, mas é a mesma coisa sem arroz. 

Sem comentários:

Publicar um comentário

Não prometo responder a todos os comentários, mas prometo que fico grato por todos.