25.8.19

Música, árvores

Olhas para a música e vês uma árvore. Talvez seja ao contrário, pouco importa: vês música na árvore à qual em criança subias para te esconderes, a ler o que te caía na mão. Era uma mangueira, lembras-te perfeitamente dos pregos  que tu e os teus amigos da praceta lhe puseram para conseguirem chegar aos primeiros ramos. Uma vez caíste mas não disseste nada aos teus pais, não fossem eles proibirem-te de subir outra vez para te aninhares na bifurcação de ramos, meio deitado meio sentado, onde sonhaste as primeiras viagens e viste os primeiros camaleões passar cautelosamente de um ramo para outro.

Hoje, essa árvore é a música de que gostas, um vasto território que se estende pelo mundo todo, que vai da Idade Média à música de hoje.

Só há uma diferença: todos os dias descobres um ramo novo. Os da mangueira já os conhecias todos, de alto a baixo. 

Sem comentários:

Publicar um comentário

Não prometo responder a todos os comentários, mas prometo que fico grato por todos.