5.1.10

Indecentes

Pronto, vamos a isto então: a lua estava cheia, dizias tu. Eu não sei: nunca olho para cima, seja dia ou noite. Prefiro olhar em frente ou para baixo, não vá o diabo tecê-las e enganar-nos com ilusões. Como a da noite, por exemplo: a noite. Puta que pariu a noite; sem ti não há noite possível, sem ti não há nada, não há verdade sequer: uma cama sem ti é um ersatz. Sem ti não há palavras.

Esquece as palavras: um milhão delas não vale duas mamas bonitas, ou um ventre liso como o teu. Dois milhões não te chegam aos joelhos, quanto mais a essas coxas magníficas com as quais me apertas quando te esqueces da lua, ou do amor. Muitos milhões não chegam aos dois lábios com que me percorres o corpo, o membro teso como o futuro. Por mim, podes esquecê-las todas, as luas, as palavras ou as mãos - as tuas e as minhas, sôfregas de tão ansiosas, tão límpidas, tão claras.

Esquece a merda do amor: não é de amor que se trata, percebes? [sotaque de Cascais] Percebes? [fim do sotaque de Cascais]. Esquece o gajo com quem fazias window shopping em Durban, o que te vomitou o carro todo em Jo'burg, o priápico com quem fodias noite e dia em Cape Town, esquece as noites dementes de Lubumbashi, quando apontavas para o umbigo e gritavas "até aqui", esquece as noites em La Guaira a olhares para as mamas e a perguntares "gostas delas?" (já sabias que a resposta era "sim" e querias arrancar-me mais palavras, mais um fôlego que fosse, um arfar, um som). Esquece as noites todas e os dias todos em que deste mais amor do que aquele que recebeste; ou ao contrário. Não penses nas fodas que deste em todos os camarotes de todos os pilotos de todos trampers de todos os portos sublimes dos oceanos todos, ou quase; ou nos vagabundos que te bateram à porta e te assustaram a meio da noite, ou te saciaram como se a fome estivesse para acabar. Esquece a lua, as mamas, as coxas, a pele, esse sexo no qual te deixavas enterrar até à alma, que tão perto está das cordas vocais, qualquer mulher o sabe; e nenhum homem o adivinha.

Esquece o marido, o filho, pai, a sobrinha, as hesitações, as impossibilidades. Esquece as porras todas por que passaste na tentativa de passares por uma mulher decente. Não há mulheres indecentes.

Sem comentários:

Publicar um comentário

Não prometo responder a todos os comentários, mas prometo que fico grato por todos.