24.9.10

Desconchavadas pimbas

O frango não tinha sal e o arroz não tinha arroz: era pouco. Corrigi um e deixei o outro como estava; que me interessa, saber se o arroz é escasso ou não. O Eugénio de Almeida é um vinho fácil: acompanha qualquer coisa, mesmo arroz à pouco. Uma família de indianos mudou-se para a casa em frente - lembras-te dela? A dos trolhas que nos impediam de sair nus do quarto e vir para a sala fumar o primeiro cigarro. Espero que os monhés sejam menos curiosos, e não passem o dia a olhar para a nossa (enfim, nossa, claro; isto passa-se no antigamente) janela. Não resisti e pus um disco da Jeanne Lee, de que tu gostavas tanto, e logo a seguir o do Celentano a cantar-te o nome, e a insolência, o humor:



Quando nos conhecemos disseste-me que estudaste em Roma, mas era mentira. Nunca puseste um pé em Itália. Aliás acho que nunca puseste um pé fora de Portugal, não é? Conhecias o Alentejo e o Algarve, quando muito, e puseste-te em mim como no circo os artistas num cavalo a galope: de pé às voltas e voltas na pista. Só que a pista não era nada do que tu dizias; e eu galopava, galopava, galopava, tão orgulhoso de ti, tão loira, tão bonita, tão presente.

É verdade: um par de mamas bonitas faz-me correr como um cavalo louco. Estás no cinema, não é? Tu.



Mentira, tudo. Eras italiana e amei-te algures na Alemanha. Depois do amor traduzias-me as músicas pimba dos italianos. Um dia convidaste-me para jantar e fizeste-me frango insonso com arroz. O arroz não chegou para os dois: "não estou habituada. Faço massa quase todos os dias e pensei que talvez não gostasses". "Gosto, sim. Mas não faz mal. Trouxe um vinho português que é como os teus olhos, redondo e vai bem com tudo e espero que gostes de vinho tinto". "Gosto, claro. Sou italiana". "Eu sei". "Gosto muito de ti". "Eu sei".

"Eu sei". Foi por aí que começámos, e por aí acabámos. "Vou-me embora". "Eu sei". "Gostei muito de te conhecer". "Eu sei". "Adeus". "Eu sei".

Não sabia nada. A única coisa que sabia era que tinhas as mamas mais bonitas que jamais vi numa mulher; e que passaria o resto da minha vida a pensar nelas.

Mentira. Um dia esqueci-as; e agora só me lembro de ti, toda.




Sem comentários:

Publicar um comentário

Não prometo responder a todos os comentários, mas prometo que fico grato por todos.