7.2.11

Factos e opiniões

Há dias, em diálogo no Facebook com uma senhora da esquerda que defende Sócrates, fui acusado de confundir factos e opiniões. Para mim é uma acusação grave, porque eu gosto de assentar as minhas opiniões em factos (ao contrário da esquerda, que prefere o oposto, parece-me - é uma opinião). A razão foi eu ter dito que Sócrates é uma desgraça para o país, o que para a senhora é uma opinião, não um facto.

Quanto a mim, isto é um facto; e mais: um facto quantificável. Basta pegar nos diferentes indicadores económicos, sociais, etc. e vê-se que estamos piores agora do que há 6 anos; não me parece contestável.

É igualmente incontestável que Sócrates é o primeiro-ministro de Portugal. As pessoas que defendem Sócrates dizem que não há uma relação entre estes dois factos. Eu acho que há (é uma opinião?). Seria interessante ver o que diriam se as coisas de súbito se pusessem a melhorar. Continuaria a não haver relação?

Na realidade, parece-me que sim, que haver uma relação entre o facto de Sócrates ser primeiro-ministro e o estado calamitoso do país é um facto, e não uma opinião. Se não, para que serviria um primeiro-ministro, não sei quantos ministros, secretários e subsecretários de Estado, chefes de gabinete, 14 mil organismos públicos, 230 deputados e ninguém sabe quantos Ruis Pedro Soares, Armandos Varas et al.?

Sem comentários:

Publicar um comentário

Não prometo responder a todos os comentários, mas prometo que fico grato por todos.