27.11.18

Fragmento

"...
Levo-te, mulher, de coxas nos ombros até ao céu e nele mergulho como um adolescente na vida ou um velho feliz na morte: sem hesitar, até ao fundo - de ti, do céu. O crepúsculo adensa as cores e o desejo: vens-te com ele e eu contigo. O fim de um dia é o princípio de uma vida, talvez duas. Comer e comer-te, comer-me e morder-te, penetrar-te por cada poro. Receber-te de caralho aberto, feliz como um Papa em dia de fumo branco.
..."

Sem comentários:

Publicar um comentário

Não prometo responder a todos os comentários, mas prometo que fico grato por todos.